segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

Filipe Romão | Exposição "Dos lugares onde nunca estive" - Galeria Sete





Paisagens  com Desenho .



São formas a preto e branco, informes ou não.

São manchas a cinza como a cinza os corpos podem ser.

Carvão sobre papel. Brancos esvanecidos, cobertos do pó do tempo e da razão.

São imaginação, são encontros, referências ao que os apagou, velou e amaciou.

Talvez para o pintor sejam lugares onde nunca esteve mas, para mim, não.

Talvez para mim, sejam esses alguns dos lugares onde me perco,

por onde passo entre os trilhos e as veredas de uma poesia que resiste.

E que persiste.



Rosário Forjaz, 02.12.2018

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

La mano de mi madre (Pia Tafdrup. Dinamarca).





La mano de mi madre

Me baño en la quieta luz de una gota
y recuerdo cómo llegué a ser:
Un lapicero puesto en la mano,
la fresca mano de mi madre sobre la mía, cálida.
— Y así nos pusimos a escribir
entrando y saliendo de corales,
un alfabeto submarino de arcos y puntas,
de caracoles espirales, de estrellas marinas,
de blandientes tentáculos de pulpos,
de grutas y formaciones rocosas.
Letras que con sus cilios se abrían paso
vertiginosamente entre lo blanco.
Palabras como lenguados aleteando
y enterrándose en la arena
o anémonas oscilantes con sus cientos de hilos
en un quieto y único movimiento.
Frases como cardúmenes
que se hicieron de aletas y ascendían
y también de alas que en compás se agitaban,
palpitando como mi sangre que a tientas
golpeaba estrellas contra el cielo nocturno del corazón;
fue cuando vi que su mano había soltado la mía,
que yo hacía mucho, escribiendo, me había desasido de ella.

Pia Tafdrup


Traducción:     Renato Sandoval y Thomas Boberg

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

https://ariscaropatrimonio.wordpress.com/edicao-de-2015/porto/galeria-porto/ https://www.facebook.com/sharer.php?u=https%3A%2F%2Fariscaropatrimonio.wordpress.com%2Fedicao-de-2015%2Fporto%2Fgaleria-porto%2F&t=Galeria%20PORTO

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Rosário Forjaz Light Drawing on 3rd moment of my walking workshop on "Made of Walking" meeting. Incoming shadows as a passage of time. A field opened to each one. upon traces of a meditative process the clauster. a space in between light and stone, landscape and walk, as a poetic space or an 

ecletic

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

https://www.facebook.com/events/177009692842788/?ti=icl

agaphantosRF17

https://youtu.be/__pRFyGH69o

Ebook jardins. Museu Nogueira da Silva. Braga

https://www.youtube.com/playlist?list=PLaCx_6oGJLJDz0Sq2W27qXKtqDO3-nDE3
https://youtu.be/b6ZylGpsP9Y
https://youtu.be/nfWx_kKq0P4
https://youtu.be/len0UTQ4PiQ

TALK symposium jardins jardineiros jardinagem

https://youtu.be/KpHJ9eHONss

Made House PAINTING


sábado, 11 de fevereiro de 2017

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

no dia da hora

Há uma hora num dia de primavera, em que a quietude assiste à natureza ... no dia da hora, as águas dos ribeiros cessam o seu movimento, as espigas, cruzam sobre si, as verdes hastes … por volta do meio dia, a papoila, roburiza o seu brilho em diáfana luz. É o dia da Espiga. Em Portugal, nas regiões das Beiras e do Ribatejo, é nessa hora que se colhem as flores do campo, os raminhos de oliveira e as espigas de vários cereais para o ramo que cada criança irá oferecer à sua mãe - o ramo de espiga.
O significado simbólico, profano e religioso remonta a crenças religiosas e profanas, tradições agricolas e populares. rosário forjaz . junho 2016. Momento 1 25 x 87 cm tempera e lacre sobre papel fabriano 300 gr. tempera et cire à cacheter sur papier fabriano 300gr.

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

A participação na oficina "Mãos na Massa" realizada na Biblioteca Municipal Abade Correia da Serra, no sábado do dia 6 de agosto de 2016
, é um ponto alto na minha visita e estadia em Serpa. Enquanto artista e professora de artes, do ensino formal e não formal em instituições públicas e privadas tais como, o Museu de Arte Contemporânea da Fundação de Serralves e o Museu Nacional Soares dos Reis no Porto, entre outros projectos artísticos e pedagógicos, permite-me à data observar a importância da oficina, "Mãos na Massa", orientada pela arquitecta Paula Estorninho. Merece, quanto a mim, destaque pelo salutar envolvimento do público infantil, juvenil e adulto no âmbito da cultura contemporânea.

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Convite Exposição - Dos Modos Nascem Coisas - ARTE E OFÍCIOS CONTEMPORÂNEOS

Artistas participantes na exposição António Barros . Henrique do Vale. Marita Seta Ferro . Cristina Camargo . Ícaro , Nuno Nascimento . Paula Neves . Estela Melo . Paulo Tanoeiro . Fátima Gavinho . Guida Fonseca . Margarida Carreira . Rosário Forjaz . Filomena Campos . Maria Beatitude . Rui Anahory . Rui Azul . Mário Silva . Steffi Köehn . Manuela Matos Monteiro . João Lafuente . Vânia kosta . Rute Gonzalez . Sandra Moreira INAUGURAÇÃO 10 SETEMBRO 17H Cineteatro Alba . Dos Modos Nascem Coisas . Alameda 5 de Outubro, Albergaria-a-Velha

quinta-feira, 31 de março de 2016

Na comemoração do décimo quinto aniversário de O Chão das Artes - Jardim Botânico, encontra-se patente, até 24 de julho, a exposição “Dragoeiros”. na Capela da Casa da Cerca/Centro de arte Contemporânea de Almada. Num ano em que o tema central da Casa da Cerca é a Inspiração, destacam-se no âmbito deste programa de exposições artistas cujas obras foram criadas com inspiração neste Jardim. A exposição Dragoeiros junta, assim, de novo os 5 artistas plásticos e 5 ilustradores científicos que em 2011 foram desafiados a criar uma obra com inspiração no jovem dragoeiro plantado na mata nesse ano.